<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7480918\x26blogName\x3dSegredos\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://secretd.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://secretd.blogspot.com/\x26vt\x3d-219320244018389711', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Segredos..
 

Carta I

Ao T,
que eu não conheço, que não me conhece, que não deverá ter acesso a esta carta... infelizmente.

Num mundo tão grande como o nosso, será um dia difícil encontrar-te, mas gostava que isso acontecesse. Talvez, quem sabe, um dia tropeces no meu blog e te apercebas que esta carta é destinada a ti, que eu não sei quem é e, no entanto, gosto.

Há relações que não se explicam... outras tantas que se baseiam em teorias... Temos relações com todos à nossa volta... relaçoes positivas, relações negativas... ligações...
Apesar disso, entre nós, além do muito (pouco) que há, e mesmo sabendo que não deves gostar de saber de mim, o que sinto por ti é algo de indescritível... não passas de um desconhecido de quem eu ouvi falar - como eu, para ti - e, no entanto, parece que desde sempre te conheci...

Nunca nos apresentaram, nunca te vi a cara, não sei quem és, se te vir na rua não te conheço... e, mesmo assim, gosto de ti, por seres quem és, por seres como és...

Nos últimos dias tenho pensado muito em ti. Sem motivos, sem razões. Acordo e lembro-me de ti e do que significas para mim.

Gostava que me lesses, por mais surreal que isso pareça... e percebesses tudo o que te queria dizer... mas metade do que sinto não o escrevo, porque não sei como faze-lo. Gostava de te ver, de falar contigo e, no entanto, tenho medo de te encontrar...

Hoje sinto que o Mundo gira para nos vermos... tenho a certeza que um dia te hei-de encontrar. E garanto-te que já estivemos mais longe um do outro. Sei onde estás. Talvez até tenhamos pontos de ligação além do evidente. Talvez um dia te veja. Talvez um dia te encontre. Talvez um dia me conheças. Talvez um dia ganhe coragem e me aproxime. Talvez.

Eu sei, entendo até, que não queiras saber da minha existência... mas ficas desde já a saber que sempre quis o lugar que podes um dia ter, ocupado na minha vida.

Sinto falta disso. Sinto a tua falta ao mesmo tempo que sinto a tua presença.

Espero que a coragem de te procurar venha ter comigo... e espero também que, um dia a raiva passe e tenhas a mesma vontade que eu tenho de te ver...

Está-me no sangue gostar de ti! Vais estar na minha vida eternamente... desde o dia em que apareceste na Terra...

There

  1. Blogger Hrrada | 18 setembro, 2005 20:09 |  

    Tá tão linda, tão sentida, tão... brutalmente real esta "carta" :D

    "I wish I could carry your smile in my heart
    For times when my life seems so low
    It would make me believe what tomorrow could bring
    When today doesn't really know, doesn't really know"

    Também eu tenho a certeza que o irás encontrar peixinha e que ele sente tanto a tua falta quanto tu sentes sua a presença ;)

    muaaaaaa*

    Porque no fim tudo corre bem... ;)